Simili, de Laura Pausini, segundo uma fã

Uma fã fez uma review uma vez aqui no LPB e contou de sua experiência em um show na Itália. Desta vez, ela de novo pediu no twitter e agora queria escrever sobre SIMILI, o novo CD de Laura Pausini. Nós gostamos, e agora publicamos. Assim, sem nenhuma pré-seleção mesmo… Mas se você, caro leitor :P, quer escrever algo relevante sobre a Laura, let us know, se estiver ao nosso alcance, publicaremos 🙂

Com a palavra, Maíra Barros, 26, de Recife (Aôôô, nordeste! Laura tá (nada confirmado) chegando aí!):

similiporumafã

 

Confesso que quando Laura anunciou o título do CD, juntamente com o logo do trevo de quatro folhas formado por impressões digitais, fiquei meio sem entender o que aquilo implicaria musicalmente – e, após 4 anos sem lançar um álbum de inéditas, não precisa nem dizer que havia uma expectativa ENORME em torno de Simili. As impressões digitais, explicou ela, apesar de serem praticamente iguais – semelhantes – possuem pequenas diferenças que nos distinguem, por isso são tão fascinantes.

E então saiu o primeiro single. Lato destro del cuore, escrito por Biagio Antonacci (também autor de Tra Te E Il Mare e Vivimi). Foi confuso à primeira ouvida: melodia e arranjo incríveis, a voz dela nem se fala… Mas uma letra bem complexa. Grande foi o meu alívio quando, mais tarde, a própria Laura disse que sentiu a mesma coisa quando ouviu a música pela primeira vez… Mas que quando entendeu sua profundidade, não deu para não escolher essa obra-prima. Pra mim foi amor à segunda vista, e desde então, virou uma das minhas favoritas dela (sem contar que o clipe é maravilhoso!).

E então chegou o dia 6 de novembro. Baixei Simili no iTunes, parei tudo que estava fazendo e fui escutá-lo. Entendi, então, o que o título do álbum implicava musicalmente: um mosaico de histórias e colaborações incríveis, formando um todo magnífico (eu já to sem adjetivos suficientes pra usar, socorro). Além de LDDC, Biagio escreveu mais duas faixas: Tornerò (Con Calma Si Vedrà), que remete àquele tempo que a Laura se afastou pra viver uma vida normal e me faz refletir sobre a minha própria vida e a minha vontade de ir embora do país mesmo sabendo que voltarei eventualmente, e È A Lei Che Devo L’amore, que além da letra linda é cantada não somente pela Laura, mas conta com a partipação especialíssima da Paola (quem mais chorou ouvindo?).

E teve mais colaboração: Sono Solo Nuvole (ma-ra-vi-lho-sa) é de Giuliano Sangiorgi, da banda Negramaro, e a própria Pausini disse que provavelmente vai ser uma das músicas mais importantes da carreira dela. Sem falar de Innamorata, uma das minhas favoritas, que foi escrita pelo lindo do Jovanotti e eu não consigo parar quieta quando escuto.  Aliás, uma das coisas que me chamou a atenção em Simili foi justamente a variedade de sons: innamorata tem uma batida pop/reggaeton contagiante e Io C’ero, é a outra que eu to só esperando o show pra morrer de pular e cantar (na verdade eu já faço isso em casa porque não dá pra ouvir e ficar parada, mas vou poupar vocês desses detalhes).

A outra faixa escrita somente pela Laura foi Nella Porta Accanto (cuja versão em espanhol foi o segundo single na Espanha), e conta a história real de uma menina que é apaixonada pelo vizinho, mas ele não sabe. A Laura chamou a menina pra conversar e disse que ia escrever uma música sobre isso, com uma condição: quando Simili saísse, ela tinha que dá-lo de presente pro vizinho e dizer que a música 7 era sobre eles. (Só eu to louca pra saber o desfecho disso? Espero que ela conte e/ou que o casal vá em algum dos shows na Itália em junho!)

Mas Simili não é só feito de colaborações e histórias alheias: tem também aquelas faixas maravilhosas que a gente escuta e sabe que são completamente autobiográficas, como Simili (segundo single na Itália, gente!) e Il Nostro Amore Quotidiano, que quando eu ouvi si nasconde ovunque il nostro amore quotidiano, nella mia valigia e nei tuoi voli in aeroplano eu comecei a chorar descontrolada porque lembrei que o Paolo é piloto por hobby e a história deles é tão linda, e Lo Sapevi Prima Tu, dedicada ao Fabrizio, nosso queridíssimo Papà Pausini. <3

E não dá pra encerrar essa review que já está enorme sem falar de Per La Musica, que é sobre quem? Isso mesmo, todos nós pausinianos lindos! Foi escrita por Laura e Niccolò Agliardi, e fora a voz da Laura, todo o resto da música foi gravada por fãs do mundo inteiro (brasileiros inclusive!), e o clipe (já comentei que cada música do CD ganhou seu próprio clipe, e eles serão lançados aos poucos em países diversos? Pois é!) mostra todo mundo que participou. Per la musica nos representa, literalmente! 😀

Então, se você não ouviu Simili ainda (SÉRIO QUE ALGUÉM AINDA NÃO OUVIU?), tá esperando o quê?! E como eu sou uma pessoa que adoro desafios, vou terminar essa review com meu Top 5 do álbum – tarefa quase impossível porque todas as 15 músicas ótimas – em ordem crescente: 200 note, Nella porta accanto, Ho creduto a me, Io c’ero e Chiedilo al cielo. (Aí se fosse um top 10 eu acrescentava Colpevole, Simili, LDDC, Sono solo nuvole e Il nostro amore quotidiano. Eu disse que era difícil escolher!)

 

 

Natália, de sobrenome Melo, chamada de Naty, Nati ou Nat em todo lugar. Jornalista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, apaixonada por música em geral, especialmente a latina, onde a italiana está inserida. Social Media por hobby, que, ironicamente, tornou-se minha profissão. É um prazer compartilhar um pouco de Laura Pausini com vocês :)

1 Comentário

  • Eu amei o seu review, Natália! Ficou lindo! Parabéns!! Eu, que sou fã de Laura há quase 20 anos, escuto “fin da bambino”, fiquei bastante emocionado e “felicissimo” enquanto percorria suas palavras. Me identifiquei muito!! Quando ela trouxe a “Simili Tour” para o Brasil, eu realizei um dos meus grandes sonhos, que era vê-la cantando ao vivo, e isso aconteceu em seu segundo show, no CityBank Hall de SP, no ano passado. Indescritível!! Mas, com certeza, um dos momentos mais importantes e incríveis da minha vida!!

    Baciiii!

Deixe uma resposta